Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Editorial – 05.01.2021

Compartilhe:
editorial_1170x530

O Rio de Janeiro começa o ano de 2021 com uma série de desafios a superar e um prefeito que, já nas suas primeiras medidas e anúncios, mostra ao que veio. Eduardo Paes avisou que está com dificuldades em arcar com o pagamento dos salários dos servidores do município até o quinto dia útil de janeiro, isso sem falar do 13º do ano passado, atrasado graças à incompetência da gestão Crivella.

 

No entanto, esse discurso vitimista do político faz parte de uma guerra psicológica que ele quer começar a travar no Rio. Um levantamento feito pelo mandato do vereador Paulo Pinheiro mostrou que a Prefeitura tem sim recursos em caixa à disposição para cumprir com as obrigações junto ao funcionalismo público, o problema é que Paes quer, mais uma vez, tratar os servidores com desdém, seguindo à risca a cartilha neoliberal aplicada no país.

 

Não por acaso, e ao contrário do que dizia em campanha, o prefeito deve aumentar a contribuição previdenciária do funcionalismo de 11% para 14%, além de uma série de outras iniciativas anunciadas no dia da sua posse, na última sexta-feira, e que devem ser encaminhadas à Câmara dos Vereadores. A grande questão é que o prefeito, além de contar com maioria entre os parlamentares, que estão em recesso, tem como presidente da Casa seu correligionário Carlo Caiado, o que facilita enormemente a aprovação de suas pautas.

 

No estado, a situação de tragédia nesse início de ano não é muito diferente. Além do edital de licitação para a privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos, a Cedae,  lançado nos últimos dias de 2020, algo que ainda vamos falar muito a respeito aqui no programa, o morador mais pobre sofrerá um verdadeiro assalto na tarifa dos transportes públicos, um dos serviços mais precarizados nos últimos tempos no Rio. A Agetransp aprovou um reajuste de, nada mais, nada menos, 25,5% no valor da passagem dos trens, que passará de R$ 4,70 para R$ 5,90 a partir de fevereiro.

 

Isso tudo em um cenário de desemprego ampliado por conta da pandemia, e com um detalhe: o péssimo serviço prestado pela Supervia faz com que as pessoas viajem aglomeradas, o que aumenta enormemente os riscos de infecção pela Covid-19. Ou seja, o trabalhador paga caro por um serviço precário e ainda coloca sua vida em risco. Esse é o cenário que temos de enfrentar no Rio de Janeiro, que terminou 2020 sem nenhum dos políticos eleitos pelo voto popular para cargos majoritários exercendo seus mandatos.

 

Ouça o comentário de Anderson Gomes:

 

Deixe seu comentário:

Baixe nosso App

Baixe nosso App

Programas anteriores

Mural de Recados

Deixe seu recado

Para deixar seu recado preencha os campos abaixo:

Para:  
E-mail não será publicado
(mas é usado para o avatar)