Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Editorial – 13.01.2021

Compartilhe:
editorial_1170x530

A gestão de Jair Bolsonaro tem se movimentado de maneira perigosa nos últimos dias na tentativa de levar adiante seu projeto de poder ditatorial que está colocado desde o início do seu mandato. Desta vez, o presidente da República quer retirar o controle sobre as forças de segurança do país de governadores e prefeitos, conferindo mais autonomia para as polícias Civil e Militar, em uma tentativa de fortalecer o caráter bolsonarista presente nessas instituições.

 

Eu farei a leitura de mais uma coluna da jornalista Cristina Serra, publicada na última segunda-feira (11) no jornal Folha de S. Paulo, para que vocês entendam o que ex-capitão está tentando tramar. O título do texto é “A ultradireita se prepara para 2022”:

 

Reportagem de Felipe Frazão em “O Estado de S. Paulo” revelou que tramitam na Câmara dos Deputados projetos para diminuir o poder e o controle dos governadores dos estados e do Distrito Federal sobre as polícias civis e militares.

 

São várias propostas de mudança na estrutura desses aparatos policiais. Uma delas é a criação da patente de general para os policiais militares, nível hierárquico exclusivo das Forças Armadas. Hoje, os PMs chegam, no máximo, a coronel. Os comandantes-gerais também seriam nomeados a partir de uma lista tríplice formulada pelos oficiais.

 

Os chefes das duas polícias passariam a ter mandato de dois anos e haveria regras estritas para suas exonerações. O governador só poderia destituir o comandante da PM por motivo “relevante” e “devidamente comprovado”. Já o chefe da Civil só perderá o cargo se a dispensa for aprovada pelo Legislativo estadual, “por maioria absoluta” de votos. E as polícias civis seriam ligadas a um certo Conselho Nacional da Polícia Civil, no âmbito do governo federal.

 

Há uma extensa e perniciosa tradição de rebeliões nas polícias, e nisso elas não diferem da atuação das Forças Armadas no Brasil. Mais recentemente, episódios corroboram a preocupação com o extremismo cada vez maior desses contigentes. Foi o que se viu, por exemplo, em 2017, no Espírito Santo, e quase um ano atrás no motim de policiais militares no Ceará, que terminou com um senador baleado.

 

As propostas abrem as portas, definitivamente, para a partidarização das forças de segurança e a formação de esquemas de poder paralelos que escapariam totalmente de qualquer forma de controle político-institucional. Se aprovadas, teriam o efeito de um anabolizante nas fileiras policiais, sob a égide escancarada do bolsonarismo. Os partidos progressistas têm que exigir do candidato à presidência da Câmara que apoiam o firme compromisso de conter a agenda da ultradireita. Esses projetos preparam o terreno para a radicalização em 2022”.

 

Ouça o comentário de Anderson Gomes:

 

Deixe seu comentário:

Baixe nosso App

Baixe nosso App

Programas anteriores

Mural de Recados

Deixe seu recado

Para deixar seu recado preencha os campos abaixo:

Para:  
E-mail não será publicado
(mas é usado para o avatar)