Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Editorial – 22.06.2020

Compartilhe:
editorial_1170x530

Bolsonaro sentiu o golpe. A prisão do seu amigo de longa data e ex-assessor do filho Flávio, Fabrício Queiroz, atingiu em cheio a até então inabalável autoestima do presidente da República. O ex-capitão do Exército apareceu abatido no vídeo divulgado na última sexta-feira em que o ministro da Educação Abraham Weintraub anunciou sua saída do cargo.

 

A preocupação de Bolsonaro se justifica. A ida de Queiroz para a prisão, em Bangu, no Rio de Janeiro, após ser encontrado na casa do advogado do mandatário, Fred Wassef, pode desencadear uma reação em cadeia e derrubar toda a família do presidente, enredada em uma série de crimes. Além de ser figura chave na investigação das rachadinhas no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio, o ex-policial tem informações sigilosas a respeito de vários episódios que tangenciam os Bolsonaro, como, por exemplo, os assassinatos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes.

 

Queiroz tem ligações íntimas com o chefe do ‘escritório do crime’, o ex-capitão do Bope Adriano da Nóbrega, morto este ano, sendo o grupo acusado pela autoria das execuções. O mandado de prisão da mulher do ex-assessor, Márcia, e o provável pedido de depoimento pela Justiça de sua filha Nathália, ex-funcionária do gabinete de Jair Bolsonaro enquanto este era deputado federal, podem motivar uma delação de Fabrício Queiroz. Aliás, a própria Nathália, que se identifica como antifascista nas redes sociais, já avisou que pode falar o que sabe para se ver livre da cadeia.

 

Outro personagem que pode complicar a vida do presidente é o próprio advogado Fred Wassef. Após passar dois dias em silêncio, o defensor do ex-capitão do Exército no inquérito que apurou a tentativa de homicídio por parte de Adélio Bispo, durante o período eleitoral, não quis dizer, quando entrevistado, como Queiroz foi parar em sua casa no interior de São Paulo, tampouco disse há quanto tempo ele estava lá.

 

No entanto, justificou o sigilo porque, com palavras dele: “O que está por detrás dessa história envolve outras coisas que todo grande esquema, que está nessa história, que envolve as rachadinhas. Não dá para falar tudo isso agora”. Essa declaração foi dada à jornalista Andréia Sadi, da TV Globo. A estratégia de Wassef é tirar a responsabilidade das costas de Bolsonaro, ressaltando que o mandatário não sabia dessa estadia de Queiroz em sua casa, em Atibaia.

 

O que está muito claro neste episódio é que o chefe do Executivo está em uma sinuca de bico: ou ele se descola do filho e do advogado e os deixa entregues à Justiça ou Bolsonaro segue no discurso em defesa dos seus e complica ainda mais a sua situação. Aliás, o anúncio da demissão de Weintraub um dia após a prisão de Fabrício Queiroz e a fuga do ex-ministro para os Estados Unidos, no mesmo dia, foi mais uma daquelas tentativas do bolsonarismo em mudar o centro das atenções. Só que, desta vez, o problema é do tamanho de um cometa.

 

Ouça o comentário de Anderson Gomes:

 

Deixe seu comentário:

Baixe nosso App

Baixe nosso App

Mural de Recados

Deixe seu recado

Para deixar seu recado preencha os campos abaixo:

Para:  
E-mail não será publicado
(mas é usado para o avatar)