Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Editorial – 26.03.2021

Compartilhe:
editorial_1170x530

A reação do Centrão para o genocídio promovido pelo Jair Bolsonaro demorou, mas parece que chegou, especialmente depois daquele discurso do presidente da Câmara Arthur Lira, na última quarta-feira (24). O jornalista Josias de Souza falou exatamente a respeito disso na coluna dele no site UOL, publicada ontem, sob o título “Vírus devolve a carta do impeachment ao baralho”:

 

A história ofereceu a Bolsonaro a rara oportunidade de presidir a crise sanitária do século. Ele preferiu trocar o figurino de líder pelo papel de estorvo. Transformou-se numa oportunidade que o coronavírus aproveitou.

 

No dia em que a pilha de cadáveres atingiu a constrangedora marca de 300 mil, Bolsonaro inaugurou o expediente enfeitiçado por um tipo de ilusão que a realidade não costuma perdoar num presidente débil: a ilusão de que preside.

 

No fim do dia, Bolsonaro foi informado de que seu destino passou a ser presidido pelo vírus. A carta do impeachment retornou ao baralho, sinalizou o presidente da Câmara, Arthur Lira, suposto aliado do governo.

 

Pela manhã, Bolsonaro colocou em prática um plano para atingir o objetivo estratégico de passar a impressão de que comanda. Reuniu-se no Alvorada com a cúpula da República. Anunciou a criação de um comitê anticovid.

 

No final do dia, o hipotético presidente da República percebeu que teria de ralar por um segundo objetivo estratégico: não cair. Discursando sobre os erros do governo na pandemia, Lira acendeu o ‘sinal amarelo’. Avisou que ‘tudo tem limite’.

 

Pressionado pelos líderes partidários, o réu que comanda a Câmara lembrou que os remédios legislativos contra o desgoverno ‘são conhecidos’. Enfatizou: ‘Todos amargos’. Há nas gavetas de Lira sete dezenas de pedidos de impeachment.

 

Na reunião matutina do Alvorada, aquela que desaguou na criação do comitê de crise, Bolsonaro desperdiçou o tempo dos convidados com idiossincrasias como o “tratamento precoce” da covid com remédios ineficazes.

 

A recaída cloroquínica mostrou que Bolsonaro, especialista em virar a mesa, não havia ensaiado adequadamente o teatro de sentar à mesa para negociar. No espaço reservado aos governadores, havia apenas aliados.

 

Na divisão de tarefas do comitê anticovid, coube ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, a tarefa de negociar com os estados. O senador organiza para a manhã de sexta-feira uma videoconferência com governadores. Sem Bolsonaro.

 

Na saída da reunião do Alvorada, Pacheco chamara o arranjo do comitê de “pacto nacional liderado por quem a sociedade espera que lidere, que é o senhor presidente da República, Jair Bolsonaro”.

 

Ecoando Pacheco, Arthur Lira dissera que o comitê produziria uma unificação de discurso, ‘para que possamos ter rumo, coordenados com a supervisão do presidente da República, comandante em chefe do Estado brasileiro’.

 

Horas depois, Pacheco trocava telefonemas com governadores. Era como se o vírus tivesse nomeado o comandante do Senado para o posto extraordinário de primeiro-ministro de uma República à deriva.

 

Simultaneamente, Lira ralhava com o governo no plenário da Câmara. ‘Estou apertando hoje um sinal amarelo para quem quiser enxergar’, declarou Lira.

 

O líder do centrão acrescentou: ‘Não vamos continuar aqui votando e seguindo um protocolo legislativo com o compromisso de não errar com o país se, fora daqui, erros primários, erros desnecessários, erros inúteis, erros que não são muito menores do que os acertos cometidos continuarem a serem praticados’.

 

Para quem ainda não consegue ligar o nome aos prontuários, o centrão é aquele conglomerado partidário que vendeu sua mão de obra legislativa para Lula, aproveitando o Planalto de fachada operária para cavar ótimos negócios.

 

É aquele mesmo grupo que foi dormir prometendo fidelidade eterna a Dilma Rousseff e acordou nos braços de Michel Temer. Dilma ficou com raiva. O centrão ficou com tudo.

 

Eleito chamando o centão de ‘escória’, Bolsonaro achegou-se ao grupo em troca de proteção. Entregou cargos e verbas. Entretanto, a pilha de cadáveres começa a modificar a relação custo-benefício.

 

Sob influência do vírus, o mesmo centrão convida Bolsonaro a submeter a resolução dos seus dilemas sanitários à simplicidade de um semáforo quando muda de verde para amarelo, intimando o sujeito a decidir se para ou avança.

 

O Legislativo inaugurou um espetáculo novo. Voltou a piscar no letreiro metafórico do Congresso uma indagação que já enviou dois presidentes para casa mais cedo: ‘Será que termina o mandato?’.

 

Ouça o comentário de Anderson Gomes:

 

Deixe seu comentário:

Baixe nosso App

Baixe nosso App

Programas anteriores

Mural de Recados

Deixe seu recado

Para deixar seu recado preencha os campos abaixo:

Para:  
E-mail não será publicado
(mas é usado para o avatar)