Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Milton Temer: “Esquerda deve se concentrar em Paulo Guedes”

Compartilhe:
milton_temer_1170x530

As inúmeras contradições estabelecidas no futuro governo de Jair Bolsonaro apontam para a necessidade de uma estratégia de resistência coordenada da militância progressista para imposição de pautas que atendam aos anseios das classes menos favorecidas da sociedade.

 

O diagnóstico é do jornalista Milton Temer, que divide a gestão que toma posse em janeiro em três setores bem definidos, baseados em figuras-chave no processo eleitoral.

 

“O Governo está fundado em dois eixos civis e um militar: os dois eixos civis são Sérgio Moro e Paulo Guedes. Moro vai desempenhar o papel da performance na área do senso comum imbecilizado, com a questão da segurança, o combate à corrupção, contra um regime que na sua essência tem na corrupção uma das principais armas do seu próprio desdobramento que é o regime capitalista”, destacou.

 

“É na luta contra a área de Paulo Guedes que a esquerda deve se concentrar. Não se deve disputar a cabeça dos pentecostais, esses são pessoas da fé, ficarão com o governo até que cometa muitos erros, mas a outra parte dos eleitores, que não votou no Bolsonaro, não vai aceitar qualquer coisa que venha dessa área”, continuou Milton Temer.

 

No segundo turno da eleição presidencial, o ex-capitão do Exército recebeu pouco mais de 57 milhões de votos. Somados aqueles que preferiram Fernando Haddad, brancos, nulos e abstenções, chega-se a quase 90 milhões de eleitores. “Essa ampla maioria tem de ser trabalhada para a perspectiva de ataques aos direitos civis e sociais que estão sendo encaminhados”, comentou o jornalista.

 

A oposição ao deputado federal pelo PSL tende a crescer conforme a sua estadia no Palácio do Planalto se prolongue, de acordo com Milton Temer. A tendência é que as promessas de campanha atendam apenas os setores sociais mais altos, o que pode provocar conflitos internos.

 

“À medida que questões fundamentais não forem atendidas, como áreas de emprego e renda, e não serão porque as medidas propostas não visam objetivamente cuidar disso, mas de manter os privilégios da base dominante que apoiou o Bolsonaro, entendo que começarão a surgir contradições dentro do próprio grupo de governo. Nesse caso, os militares serão uma espécie de árbitro com respeito a soluções que devem ser tomadas“, avaliou.

 

Para apresentação de uma alternativa à camada de eleitores que não votou em Bolsonaro, o jornalista enxerga dificuldades a partir da leitura dos quadros da principal legenda progressista, que apresenta pautas difusas.

 

“Não vejo o quadro de forma fácil. Embora a base social da esquerda seja ampla, o chamado papel de agente intelectual orgânico não está fácil organizar. O quadro interno do PT, que ainda abriga grande parte dessa simbologia de representação de uma esquerda possível, é uma esbórnia. Só falta adesão ao Bolsonaro porque todo o resto existe, do Lula Livre a uma acomodação total”, lamentou.

 

Ouça a entrevista de Milton Temer abaixo:

 

 

Entrevista em 06.12.2018

Deixe seu comentário:

Baixe nosso App

Baixe nosso App

Mural de Recados

Deixe seu recado

Para deixar seu recado preencha os campos abaixo:

Para:  
E-mail não será publicado
(mas é usado para o avatar)