Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

“Moro e Dallagnol se colocam como vítimas”, afirma Glenn Greenwald

Compartilhe:
glenn_greenwald_1170x530

A divulgação das trocas de mensagens entre o ex-juiz e agora ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro e o procurador do Ministério Público Federal Deltan Dallagnol pelo site The Intercept Brasil segue provocando rachas entre os defensores da operação Lava Jato e expôs o caráter de partidarização da força-tarefa anticorrupção, algo antes alegado apenas pelos partidos de esquerda.

 

Alvos dos vazamentos, ambos alegam que a obtenção e publicação dos diálogos foram realizados de forma ilícita, além de as conversas não evidenciarem qualquer tipo de ação conjunta sobre as investigações e o andamento das diferentes fases da Lava Jato, que levou à prisão o ex-presidente Lula.

 

O jornalista norte-americano Glenn Greenwald, um dos fundadores da página responsável pela divulgação, avaliou que as afirmações das duas figuras de maior destaque nos processos da força-tarefa não jogam luz sobre o conteúdo do que foi exposto.

 

“É muito interessante que nenhuma defesa que Moro e Deltan deram se dá sobre a evidência do que nós publicamos. Eles estão tentando distrair sobre a nossa fonte, sobre como são vítimas, isso não é uma resposta para o comportamento obviamente totalmente errado que essa evidência mostra para o país todo que fizeram, colaborando juntos e depois fingindo que eram neutros”, comentou.

 

“O Deltan e o Moro mentiram explicitamente muitas vezes para o público, negando esses documentos que mostram que eles estavam o tempo todo juntos para construir o processo de acusações, que depois Moro julgou fingindo que era justo. Quando você mostra esse tipo de comportamento, a corrupção, qualquer coisa que as máquinas poderosas fizeram, elas sempre tentam fazer a mesma coisa, distrair atacando as fontes tentando minimizar, dizendo que são vítimas, mas é interessante que não estão dizendo que esse material é autêntico, nem oferecendo uma defesa para esse comportamento”, prosseguiu Glenn.

 

Famoso pelo episódio onde, em parceria com Edward Snowden, levou ao público a existência de programas secretos de vigilância global dos Estados Unidos, o jornalista relatou que as descobertas de informações a respeito da Lava Jato superam em volume a principal reportagem de sua carreira.

 

Diversas entidades ligadas à sociedade civil manifestaram repúdio em relação ao episódio. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) recomendou o afastamento imediato de seus cargos do ministro, do procurador do MPF e dos demais citados nas reportagens, até o encerramento das investigações para que haja “isenção e imparcialidade”.

 

O Governo Federal se posicionou em apoio a Moro, destacando confiança plena no ex-juiz. Glenn lembrou que os argumentos ligados à ilegalidade das provas não condiz com o histórico da operação anticorrupção.

 

“É muito irônico porque a Lava Jato está usando vazamentos por cinco anos para fazer aquilo que querem fazer, destruir a reputação das pessoas, o processo Judiciário, vazando para a Globo, O Antagonista o tempo todo. Sabemos que o juiz Moro vazou conversas privadas não só de Dilma e Lula, mas de Dilma com várias outras pessoas, então é sempre assim. Eles usam os mesmos métodos que agora estão criticando porque agora esses métodos estão sendo usados para advogar a corrupção deles”, ressaltou.

 

O responsável pelo site sabe do risco que corre após a divulgação do escândalo e citou Marielle Franco como uma das vítimas de perseguição. Ele citou também um caso curioso após sua participação em um evento no Canadá em 2017 onde foi premiado, sendo finalista com a força-tarefa da Lava Jato. Em seu discurso, Glenn elogiou a operação e teve seu comentário compartilhado por Deltan Dallagnol nas redes sociais.

 

“No passado eu sempre apoiei o trabalho da Lava Jato. É impossível falar que o motivo do jornalismo do The Intercept Brasil é atacá-la. O fato é que o trabalho que a força-tarefa já fez é bom, mas eles não têm o direito de quebrar leis, fazer coisas antiéticas, mentir para o público. Esse é o ponto principal que todo mundo precisa entender”, finalizou.

 

Ouça a entrevista de Glenn Greenwald na íntegra:

 

 

Entrevista em 11.06.2019

Deixe seu comentário:

Baixe nosso App

Baixe nosso App

Mural de Recados

Deixe seu recado

Para deixar seu recado preencha os campos abaixo:

Para:  
E-mail não será publicado
(mas é usado para o avatar)